Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Baixa produtividade e falhas tecnológicas são os principais gargalos na construção

A construção civil tem se caracterizado pela baixa produtividade nos últimos anos - estando muito atrás do setor de manufatura e da economia como um todo. A boa notícia é que o ponto de inflexão parece ter chegado graças à digitalização.

As informações são de um estudo feito pela McKinsey que avaliou 100 megaprojetos no país para identificar os gargalos que impedem a construção civil brasileira de alcançar níveis de produtividade semelhantes aos de países mais desenvolvidos.

De acordo com o levantamento, 80% deles tiveram aumento de custo e atrasos de quase 20 meses no cronograma de entrega da obra.

Segundo Kevin Nobels, um dos responsáveis pela pesquisa, o aumento de produtividade na construção civil brasileira tem potencial para melhorar 50%, desde que adotadas boas práticas, novos conceitos e que se invista em tecnologia.

As medidas sugeridas para reverter esse cenário são reforma das regras e aumento na transparência, reforço no quadro contratual, melhoria nos processos de design e engenharia, melhoria na aquisição e gerenciamento da cadeia de suprimentos, adesão de tecnologia digital, treinamento e capacitação de profissionais.

O projeto hubiC, primeiro espaço cooperativo de inovação e construção digital de base industrial do Brasil, surge como uma alternativa eficiente na reversão desse cenário.

Resultado de uma parceria entre Universidade de São Paulo (USP), Escola Politécnica (Poli) e a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), a plataforma é uma iniciativa inédita que une o mercado a favor do desenvolvimento de PD&I – pesquisa, do desenvolvimento e da inovação.

"O crescimento da indústria da construção e a sua competitividade passam pela evolução PD&I, com novos padrões produtivos, novas tecnologias/processos e implementação de uma gestão orientada para a excelência e sustentabilidade. Os resultados dessa iniciativa para a cadeia produtiva e para a sociedade pode proporcionar maior competitividade e qualidade, dentro dos padrões ambientais vigentes", comenta Valter Frigieri, diretor de mercado da ABCP e um dos coordenadores do hubiC.

Industrialização da construção civil

Em encontro realizado recentemente entre os participantes da cátedra, um dos principais pontos abordados foram exatamente o processo de industrialização da construção civil e os gargalos apontados no relatório McKinsey.

Considerada a potência que mais investe no desenvolvimento de novas tecnologias, a China está entre as principais referências na implementação de inovações e superação dessas dificuldades. Por isso, foram discutidas as principais iniciativas que estão impulsionando a indústria da construção civil no país.

A impressão 3D, por exemplo, é uma tecnologia que permite a construção de edifícios de forma rápida e eficiente através da implementação de um sistema automatizado conectado a um programa de execução. Ou seja, o projeto em desenhos bidimensionais é substituído pela leitura de arquivo digital, o que minimiza erros e reduz custos.

Alinhado ao processo de impressão, os chineses ainda contam com a utilização do UHPC, concreto de alto desempenho, resistente e durável. Essa união pode reduzir em até 60% o volume de concreto utilizado comparado a construções convencionais, além de garantir um acabamento de alta qualidade e durabilidade.

No Brasil, o uso do UHPC ainda é usado exclusivamente em estudos, tendo a Lafarge – integrante do hubic – como única empresa autorizada a comercializar o produto.

Por fim, a implementação de tecnologias e mão de obra qualificada e atualizada precisam ser adotadas. Os constantes avanços tecnológicos em um cenário de profundas mudanças sociais e culturais, exigem que a indústria da construção civil avance na busca por maior qualidade, produtividade e sustentabilidade.

Matéria publicada na Grandes Construções