Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Estudo mostra que crescimento na construção civil depende de mais produtividade e recurso à tecnologia

A construção civil é a maior indústria do mundo. Mas apesar de sua participação na economia global, o desempenho produtivo não é bem avaliado.

O setor representa 13% do PIB global, mas viu um crescimento de produtividade de 1% ao ano nas últimas duas décadas. Os dados são de uma pesquisa realizada pela McKinsey Global Institute e publicada em junho de 2020.

O setor, que iniciou 2021 com expectativa de crescimento de 4% ao ano, viu este percentual cair para 2,5% em março, após os contínuos aumentos nos custos dos materiais, no dólar e na inflação.

Agora, com o avanço da campanha vacinal e o vislumbre de uma melhoria no cenário, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) já sinaliza que a projeção inicial foi retomada, o que simboliza o maior crescimento desde 2013.

Um estudo da McKinsey, avaliou 100 grandes projetos brasileiros para apontar empecilhos para o crescimento da construção civil a níveis parecidos com os de países mais desenvolvidos. Na pesquisa, 80% dos empreendimentos analisados apresentaram aumentos de custo e atraso de quase 20 meses no cronograma de entrega da obra.

Jean Ferrari, CEO e fundador da FastBuilt, construtech especializada em soluções de automação para a construção civil, considera que o mercado da construção civil é permeado por práticas que remetem a processos mais tradicionais e portanto não atraem tantas inovações tecnológicas, mas esse pensamento já começou a ficar no passado.

“Um leigo, quando pensa na construção de um prédio, lembra da construção de uma casa, que ele viu seu pai ou avô fazendo, juntando tijolo por tijolo, fazendo a massa, pintando por conta própria no final. A construção de um grande empreendimento, como um prédio de 20 andares, por exemplo, clama pela tecnologia do século 21 para que os processos sejam facilitados, aprimorados, melhor acompanhados e geridos pela construtora”, diz.

A produtividade no setor brasileiro tem grande potencial para melhorar, desde que adotadas melhores práticas, novos conceitos e que seja investido em tecnologia.

“Processos digitalizados estão otimizando o dia a dia de diversas atividades econômicas e colaborando com a melhor experiência de compra dos consumidores. E no setor da construção isso também vem acontecendo de forma cada vez mais efetiva. Porém é preciso perder o medo de investir em novas tecnologias para a construção civil”, diz o engenheiro e empresário

Atualmente existem facilidades sendo implementadas, como a gestão digital dos canteiros de obras, permitindo que o engenheiro ou responsável pelas obras foquem seus esforços em análises de informações estratégicas que possam trazer melhorias de produtividade, qualidade e redução de custos para a organização sem que ele perca o contato direto com sua equipe que está no canteiro de obras, pois as novas tecnologias facilitam essas interações.

“O setor da construção tem um grande desafio pela frente, mas tem ao mesmo tempo grandes parceiros trazendo inovação e novas tecnologias que trarão vantagens competitivas valiosíssimas para as empresas que as adotarem”, conclui o engenheiro.

Matéria publicada na Grandes Construções