Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Guilherme Fiorese Philippi, presidente do Conselho Estratégico da Abcic, aborda o desenvolvimento de tecnologia e industrialização como fundamentais para produtividade

Fundada em 2001, a Abcic,  Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto, atua para o desenvolvimento do setor de pré-moldados de concreto destinados às estruturas, fachadas e fundações. Com cerca de 100 associados, promove ações e iniciativas inovadoras para a divulgação dos benefícios da construção industrializada e da disseminação de informações técnicas e tecnológicas que contribuam para a o aprimoramento contínuo do segmento.

Confira a entrevista exclusiva com Guilherme Fiorese Philippi, presidente do Conselho Estratégico da Abcic, Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto: 

P: O portal de Produtividade foi criado pelo movimento das Entidades Do Mesmo Lado com o objetivo de reunir as melhores práticas do canteiro de obras e fomentar o crescimento da produtividade da construção civil no país. E o Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado é uma iniciativa deste grupo com o propósito de reconhecer e promover as soluções voltadas para o desenvolvimento da inovação no setor. Como enxerga estas iniciativas?
R:
As duas iniciativas são importantes para o setor da construção porque fomentam a discussão desse tema fundamental importância.  A cadeia produtiva somente irá alcançar mais competitividade e rentabilidade com o incremento de produtividade, o que significa aplicação de tecnologias da Indústria 4.0, um desenvolvimento maior na área de pesquisa e inovação e mais industrialização. Esses fatores também contribuem para que a construção faça sua contribuição na mitigação dos impactos ambientais da atividade.

P: O Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado pode contribuir, além da promoção das melhores práticas, na formação de parcerias e idealização de novos projetos, técnicas e soluções para o setor da construção civil?
R:
O Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado traz uma série de benefícios ao setor da construção. O primeiro, sem dúvida, é destacar as empresas que estão trabalhando fortemente para ampliar a produtividade no setor, bem como as tecnologias e sistemas construtivos que contribuem para atender esse objetivo. Em segundo lugar, ao se conhecer as boas práticas, outras companhias podem inserir em seu planejamento estratégico ações para também aprimorar sua produtividade, ou buscar parcerias para o desenvolvimento de novos projetos com as soluções apresentadas pelo prêmio. Como resultado, vemos um movimento em prol do aumento da produtividade no setor, com a participação de diversos players do mercado e como o apoio da sociedade.

P:  Quais são as inovações em que a pré-fabricação do concreto têm se destacado?
R:
 As inovações estão relacionadas a projeto com a consolidação do uso do BIM nas indústrias, maiores possibilidade de automação e alinhamento com novos conceitos e ferramentas introduzidos pela digitalização. Outra área importante de desenvolvimento está relacionada ao uso de concretos especiais, após a consolidação do concreto auto adensável fundamental para o processo de produção os avanços seguem na linha de concretos de elevada performance como o UHPC e concretos mais leves. Tendências importantes em relação a competitividade e fatores ambientais. Além disso, podemos citar a eficiência das ligações (conexões entre os elementos).

P: Na 1ª edição do Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado (2020), o Empreendimento Parque da Cidade foi case vencedor na categoria ‘Projeto’. Foi implementada a solução pré-moldada na obra, que possibilitou uma maior velocidade na execução e permitiu a uniformidade na geometria dos blocos de fundação de periferia. Quais os diferenciais desta solução que podem torná-la amplamente utilizada em outros projetos?
R:
Essa obra se destaca porque não se trata apenas de uma questão de ferramentas, mas também de materiais, de soluções de engenharia desde o projeto, integrada com a arquitetura e com uma forte interface com gestão e planejamento. Ou seja, não se trata apenas da adoção de uma nova tecnologia.

O empreendimento adotou um “mix” de sistemas construtivos. No núcleo central, o uso de formas trepantes executadas “in loco” integra os pavimentos com lajes alveolares pré-fabricadas de concreto protendido, vigas também pré-fabricadas de concreto protendido e pilares moldados no local. Os subsolos foram integralmente construídos com elementos pré-fabricados de concreto e fachadas com painéis pré-fabricados. Em alguns pontos também houve a introdução de alguns elementos metálicos.

As necessidades de introduzir velocidade de execução, com particularidades do terreno e a concepção arquitetônica tiveram um resultado excepcional na integração de todas as disciplinas e tecnologias disponíveis. Houve também a adoção, desde o projeto, de tecnologias de execução e monitoramento, como o levantamento aerofotogramétrico por drones, onde semanalmente a topografia do terreno era confrontada pela comparação com o escaneamento prévio a laser, o que considerando as caraterísticas e peculiaridades do terreno foi fundamental. Esta tecnologia também foi adotada para o monitoramento da execução do avanço vertical e horizontal do empreendimento, comparando ao Modelo BIM (4D – Planejamento). É uma evidência dos benefícios da industrialização no processo construtivo.

P: Quais são os principais requisitos a serem considerados para o melhor desempenho e sustentabilidade nos projetos da construção civil?
R:
Apesarem de estudos comprovarem que, na vida útil (50 anos) de uma habitação de classe média, o impacto das emissões na fase da construção representa cerca de 9%, enquanto na fase de uso do imóvel representa os outros 91% das emissões de CO2, a fase de decisões, de forma mais específica o projeto, no qual os sistemas e construtivos e tecnologias deveriam ser definidos, tem impacto importante  na análise do custo do ciclo de vida do empreendimento. Os processos produtivos precisam ser mais eficientes, reduzindo o consumo de recursos naturais.

P: A evolução dos métodos construtivos será capaz de contribuir com a diminuição do déficit habitacional do país a curto e médio prazos?
R:
A industrialização é o caminho mais acertado para diminuir o déficit habitacional no país, uma vez que é possível executar as obras com rapidez, aliando produtividade, qualidade e menor impacto ambiental. O movimento pró-industrialização da construção é global. Em 2018, realizamos uma missão da ABCIC englobando Alemanha, Finlândia, Dinamarca, Bélgica e Holanda, que comprova esse cenário. A pré-fabricação em concreto, em sistemas painelizados, modernamente denominados construção modular 2D, tem sido o principal sistema utilizado na Ásia, da mesma forma com maior tendência ao desenvolvimento do volumétrico 3D.

P: Quais ações a Abcic têm realizado para a promoção do Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado?
R:
A Abcic é apoiadora e patrocinadora do Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado, e tem feito a divulgação contínua dessa importante premiação em seus canais de comunicação: Revista Industrializar em Concreto, redes sociais, site, e-mail marketing e newsletter. Além disso, a engenheira Íria Doniak, presidente executiva da Abcic, participa ativamente das reuniões e projetos das entidades Do Mesmo Lado.

P: Para finalizar, gostaria que deixasse uma mensagem para o setor da Construção Civil sobre a importância das inovações para o aumento da produtividade.
R:
O país vive um cenário diferente, um momento de transformação, que abre possibilidades para ampliar a produtividade da construção. Nesse sentido, a inovação e digitalização são fundamentais, pois contribuem para um olhar sistêmico e uma maior integração entre todas as fases do ciclo de vida de um empreendimento, para o desenvolvimento de novos materiais, para redução de custos e para a maior aplicação de sistemas construtivos industrializados.

Matéria publicada no Prêmio Produtividade Do Mesmo Lado